segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Dimensão satírica - Farsa de Inês Pereira

Texto expositivo-informativo - 120-150 palavras
Redução de texto

Proposta de textualização 1
A Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente segue a máxima latina Ridendo Castigat Mores, conferindo, desta forma, dimensão satírica à sua peça.
A sátira utilizada cumpre o objetivo pedagógico de modificar aquilo que estava mal, recorrendo aos tipos de cómico, às personagens-tipo, à ironia, ao sarcasmo e à crítica mordaz e acutilante.
O mundo às avessas e a crise de valores (hipocrisia, tirania, adultério, devassidão do clero, culto da aparência) aliados ao cómico, ao riso e ao caricatural, recaem principalmente sobre as personagens de Inês Pereira, Pêro Marques e Brás da Mata. Desta forma, a revolta de Inês e o desejo de libertação que a levam a um casamento oposto ao almejado e posterior segundo casamento constituem cómicos de situação que ridicularizam esta rapariga casadoura. Também o Escudeiro é alvo de crítica por simbolizar o escudeiro pelintra, fanfarrão, pretensioso que vive das aparências e que revela a sua cobardia na hora da morte. Porém, a personagem mais caricatural é Pêro Marques, lavrador ingénuo e inocente, que caminha desajeitadamente em busca da casa de Inês, revela incapacidade de falar e de seduzir e leva presentes inadequados para a sua pretendente. Este cómico de caráter atinge o auge no momento em que expõe a sua rusticidade de campónio que desconhece a função da cadeira e ao levar a mulher às costas, com docilidade e ingenuidade, para se encontrar com um amante.
Em suma, esta Farsa vicentina propõe-se a criticar a sociedade do século XVI através da sátira e da comicidade.
250 palavras
Proposta de textualização 2
A Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente segue a máxima latina Ridendo Castigat Mores, conferindo, desta forma, dimensão satírica à sua peça.
A sátira utilizada cumpre o objetivo pedagógico de modificar aquilo que estava mal, recorrendo aos tipos de cómico, às personagens-tipo, à ironia, ao sarcasmo e à crítica mordaz e acutilante.
O mundo às avessas e A crise de valores (hipocrisia, tirania, adultério, devassidão do clero, culto da aparência) aliada ao cómico, ao riso e ao caricatural, recai principalmente sobre as personagens de Inês Pereira, Pêro Marques e Brás da Mata Escudeiro. Desta forma Assim, o cómico de situação está presente na revolta de Inês e no desejo anseio de libertação que a levam a um casamento oposto ao almejado uma má experiência e posterior segundo casamento constituem cómicos de situação que ridicularizam esta rapariga casadoura. Também o Escudeiro Brás da Mata é alvo de crítica por simbolizar o escudeiro pelintra, fanfarrão, pretensioso que vive das aparências e que revela a sua cobardia na hora da morte. Porém, a personagem mais caricatural é Pêro Marques, lavrador ingénuo e inocente, que caminha desajeitadamente em busca da casa de Inês, revela incapacidade de falar e de seduzir e leva presentes inadequados para a sua pretendente. Este  O cómico de caráter que protagoniza atinge o auge no momento em que expõe a sua rusticidade de campónio que desconhece a função da cadeira e ao levar a mulher às costas, com docilidade e ingenuidade, para se encontrar com um amante.
Em suma, esta Farsa vicentina propõe-se a criticar a sociedade do século XVI através da sátira e da comicidade.
207 palavras
Proposta de textualização 3
A Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente segue a máxima latina Ridendo Castigat Mores, conferindo, desta forma, dimensão satírica à sua peça.
A sátira utilizada cumpre Com o objetivo pedagógico de modificar aquilo que estava mal, Gil Vicente expõe a O mundo às avessas e A crise de valores (hipocrisia, tirania, adultério, devassidão do clero, culto da aparência) que aliada ao cómico, ao riso e ao caricatural, recai principalmente sobre as personagens de Inês Pereira, Pêro Marques e Escudeiro. Assim, o cómico de situação está presente Inês veicula o cómico de situação na alteração de da sua postura de Inês relativamente ao casamento. Também Brás da Mata é alvo de crítica por simbolizar o escudeiro pelintra, fanfarrão, pretensioso que vive das aparências e que revela a sua cobardia na hora da morte.  que se revela , revelando-se cobarde na hora da morte. Porém, a personagem mais caricatural é Pêro Marques, lavrador ingénuo e inocente, que caminha desajeitadamente em busca da casa de Inês, revela incapacidade de falar e de seduzir e leva presentes inadequados para a sua pretendente. Este  O cómico de caráter que protagoniza atinge o auge no momento em que expõe a sua rusticidade de campónio que desconhece desconhecendo a função da cadeira e ao levar levando a mulher às costas, com docilidade e ingenuidade, para se encontrar com um amante.

Em suma, esta Farsa vicentina propõe-se a criticar a sociedade do século XVI através da sátira e da comicidade. 
150 palavras

Sem comentários:

Enviar um comentário